TESTE RÁPIDO PARA DETECTAR O VÍRUS HIV GANHA REGISTRO NO BRASIL

O primeiro autoteste para detectar exposição ao vírus da Aids foi registrado no Brasil pela Anvisa em maio de 2017 e é direcionado ao público em geral. O produto que apresenta nome comercial Action, da empresa Orangelife Comércio e Indústria, teve preço definido pelo mercado e poderá ser vendido sem receita em farmácias e drogarias de todo Brasil até o final de julho.

De acordo com a documentação do processo de registro do produto, o teste funciona de forma semelhante aos testes já existentes para medição de glicose para diabéticos, utilizando gotas de sangue. A sensibilidade e efetividade é de 99,9%, porém, o produto só é capaz de indicar a presença do HIV 30 dias depois da situação de exposição ao vírus, uma vez que o organismo precisa desse período para produzir anticorpos em níveis detectáveis. A presença do anticorpo mostra que a pessoa foi exposta ao vírus que provoca a Aids.

O resultado aparece entre 15 e 20 minutos, na forma de linhas que indicam se há ou não o anticorpo do vírus. Se o resultado for negativo, é recomendável que o teste seja repetido 30 dias depois e outra vez depois de mais 30 até completar 120 dias após a primeira exposição.

Se o resultado for positivo, a pessoa deve procurar um serviço de saúde do SUS, para confirmar o resultado com testes laboratoriais e encaminhamento para o tratamento gratuito adequado.

Os autotestes ou os chamados testes laboratoriais remotos (TLR) — realizados nos locais de atendimento de pacientes, como postos de saúde ou consultórios médicos, podem revolucionar as estratégias de saúde pública para prevenção e controle de epidemias, tanto do HIV quanto de doenças como hepatite C, dengue, zika e chicungunha. Levar a máquina ao paciente, e não o paciente à máquina permite ir muito além do resultado, agregando uma série de informações como o local do diagnóstico, onde o paciente mora, onde trabalha ou onde foi infectado, que permitir às autoridades fazerem intervenções cirúrgicas contra estas epidemias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *